E é de novo carnaval.

E é o dia da alegria. Há sambas e marchas e canções que evocam que é hora da tristeza ir embora e da alegria chegar. A festa foi se agigantando país afora. Ritmos e estilos diferentes foram ganhando adeptos. Escolas de samba, blocos de rua, frevos, axé, clubes, salões, bares, botequins. Cada um encontra o seu jeito de viver a festa.

A festa passa. Como dura pouco, já inventaram antecipações e prorrogações. Já criaram carnaval fora de época. Tudo isso para que a alegria possa reinar? Mas o reino da alegria só se dá no carnaval?

Há alguns que extravasam. Rompem suas durezas e se lançam a alimentar fantasias impróprias para outros dias. Há os que bebem em exaustão. Há os que pedem férias de amores duradouros para aproveitar o reinado de Momo com novos acompanhantes. Há os que se vestem do que gostariam de ser, mas não têm coragem nos dias comuns. E há os que desprezam os dias comuns, porque neles não há carnaval.

Moram em mim dois mundos.

Um me eleva. O outro, não.

Um me apresenta o dia como um canteiro de felicidades. O outro me faz desconfiar.

Um me traz pessoas e suas histórias para que eu possa compreender. O outro me esconde com medo dessa compreensão.

Um me elege para vencer obstáculos. O outro me coloca uma lente estranha que faz os obstáculos serem maiores do que de fato são.

Um me relembra o ontem para que as emoções me aqueçam. O outro me relembra o ontem para que eu saiba que nunca mais terei a força que tive.

Um me mostra o amanhã repleto de cenários que vão se modificando a cada ação minha. O outro mostra os mesmos cenários, cheios de feiuras, de doenças, de dependências.

Um me faz livre. O outro me escraviza.

Há tempos, convivo com os dois. Não me lembro, aliás, se houve algum tempo em que apenas um deles existisse. Se houve, eu ainda não era eu. Ou, se já era, não sabia. Há circunstâncias que me fazem alimentar o mundo que me alimenta e há outras em que alimento aquele que não me alimenta. Tento compreender as diferenças. As minhas diferenças. De vez em quando, deixo um ou outro mais forte dentro de mim. Nem sempre é simples.

Há momentos em que um vazio me preenche. Vazios não preenchem ninguém. Sim, mas o mundo que me diminui me traz um vazio com o qual fica difícil receber outros visitantes. E eu permito. E me lanço a pensar no que não me faz bem. E o vazio aumenta. E as minhas reações são diferentes daquelas que eu teria se tivesse alimentado o mundo que me alimenta. O que me alimenta me traz a generosidade, a fraternidade, a compreensão. Nada disso convive com o tal do vazio. O mundo que me faz egoísta, se eu pensasse um pouco, não me faria. Se eu pensasse que, depois de uma ação egoísta, nunca vem a felicidade, eu agiria de uma outra maneira. Mas, no vazio, o pensamento fica preguiçoso. E não percebo o que deveria perceber.

O mundo generoso não usa a tal lente estranha. Pelo contrário. Retira-a. Para que eu veja com os meus próprios olhos. Para que os meus olhos alimentem os meus sentimentos. Para que os meus sentimentos não briguem com os meus pensamentos. Para que os meus pensamentos sejam repletos de boas intenções. Para que as minhas boas intenções me levem a ações que me façam generoso.

A carência em demasia me faz exagerar. Exagerar no ciúme, na possessão, na vaidade. Esqueço o outro. E vivo em função das minhas idiossincrasias. Quero o aplauso, o reconhecimento, o elogio. Quero como um ser dependente. Quero como se me frustrasse, definitivamente, por não ser o centro das atenções. E, por isso, me diminuo. Soberbamente, me diminuo.

O mundo que me eleva também sabe das carências. Mas me faz supri-las de outras maneiras. Abraçar-me a mim mesmo nunca me satisfará. É o outro que me completa. Não como resultado da minha projeção. Mas como ouvinte de uma mesma canção que se dá no tempo do encontro. Nossos olhares ora se cruzam, ora contemplam o que o mundo generoso tem a nos oferecer. O mundo mesquinho me faz querer tudo. Ganancioso, vou me perdendo. O mundo generoso me faz encontrar as razões da partilha. Vou compreendendo que nada me pertence. Nem mesmo as pessoas que amo. Elas, um dia, partirão, e eu teria de, depois da despedida, agradecer pelo tempo do convívio. Se imaginar que algo ou alguém me pertence, terei, além de ter cometido um ledo engano, proporcionado a mim mesmo uma imensa frustração.

Os dois mundos moram em mim. Não sei se há como expulsar um dos dois. Se há, ainda não descobri. Mas estou aprendendo como deixar o que me fortifica mais forte, o que me alimenta mais alimentado, o que me eleva, maior.

Acordo pensando nisso. E nos momentos em que terei a oportunidade de fazer o que decidi. Vez ou outra me perco. Por alguma distração. Por algum alimento que dei, sem perceber, para o mundo que me diminui. Quando isso acontece, tento voltar ao que me alimenta, lembrar o que estou perdendo e, novamente, ganhar. Ganhar a luta renhida contra o que me apequena. E crescer. Com a maturidade necessária para escolher a escolha correta. E prosseguir.

Hoje, é domingo. Dia de alimentar o mundo bom. Amanhã, também. E, também, o dia que virá depois de amanhã. A tarefa é diária. Mas com ela se chega ao fim do dia muito melhor. No fim do dia, é o mundo generoso que tem o poder de me conferir um sono bom. O outro mundo me mantém acordado com um barulho incessante de desperdícios. Gosto de dormir bem. E gosto de acordar com vontade de viver!

Por: Gabriel Chalita (fontes: Diário de S. Paulo e O Dia - RJ) | Data: 19/02/2017

Dias desses, conheci um cantor. Um cantor que canta com a alma da gente do interior. Que gosta dos compositores que compõem as canções contando uma história. A história "de uma casa no campo" em que eu possa dizer, inclusive, que "eu quero o silêncio das línguas cansadas" e "a esperança de óculos". Que cada um entenderá do seu jeito. Que desafiará algum pensamento. Um cantor que canta sobre o boi e a boiada. Sobre a palmeira na beira da estrada "onde foi cravado muito coração".

Pois bem, esse cantor era zootecnista. Trabalhava no campo e admirava as pessoas do campo. E as coisas do campo. Um dia, ele mudou de profissão. Agradeceu o que viveu e partiu em busca do barulho do seu coração. Foi ser cantor. Foi ser cantador. Foi cravar em muitos corações a beleza da sua voz.

Cláudio Lacerda é seu nome. O que viveu serviu de acúmulo e de inspiração. O que deixou serviu de desafio para novas buscas. A vida aprecia quem a aprecia. Quem tem a coragem de mudar. Quem tem o discernimento de saber onde fincar suas bandeiras.

Publicidade