Um amigo meu, Carmo, contou-me esta história. Carmo não é seu primeiro nome, nem o último. É o nome do meio. "No meio do caminho havia uma pedra", explicava Drummond. No meio de tanta gente, havia um professor. Sempre há um professor. Este, o professor do Carmo, gostava de poemas, gostava de Drummond. Certa feita, explicava o professor, ele mandou alguns de seus rabiscos para o poeta maior. Enviou em folhas brancas preenchidas com sua letra. Nada de máquinas de escrever ou de computador. O poeta merecia ler os seus textos inéditos. Evidentemente, ele os copiou. Guardaria no caso de uma publicação. Era um professor do interior. E, do seu interior, nasciam letras e palavras e frases. Pois bem, revela o meu amigo que o dito professor gostava de contar sua história com Drummond. Explicava ele com detalhes que demorou muito a se decidir se enviava ou não a tal carta com os tais poemas. Conseguiu o endereço do poeta. Investigou para saber se ele mesmo costumava ler as cartas que recebia. Quis saber de alguém se alguém já havia recebido alguma resposta. As informações eram vagas, mas ele decidiu prosseguir. E mandou. Lá se foram os dias de comedimento e a inauguração da ousadia. O maior poeta vivo haveria de ler, enfim, os seus poemas. Ficaria ele surpreso? Ficou relendo o que Carlos Drummond escrevera quando pela primeira vez leu o texto de Cora Coralina:

"Cora Coralina.

Não tenho o seu endereço, lanço estas palavras ao vento, na esperança de que ele as deposite em suas mãos. Admiro e amo você como alguém que vive em estado de graça com a poesia. Seu livro é um encanto, seu verso é água corrente, seu lirismo tem a força e a delicadeza das coisas naturais. Ah, você me dá saudades de Minas, tão irmã do teu Goiás! Dá alegria na gente saber que existe bem no coração do Brasil um ser chamado Cora Coralina. Todo o carinho, toda a admiração do seu. Carlos Drummond de Andrade"

O que leva alguém a abraçar a carreira de professor? O que leva uma pessoa a se decidir por um ofício que exige disposição cotidiana para ensinar, envolver, surpreender, confirmar que o futuro existe?

Hoje, é dia do professor.

Hoje e todo dia. Porque todo dia, no "chão da escola", há uma troca de experiências que instiga os alunos a perceberem que podem mais. Há desafios de envolver as famílias para que estejam presentes, de trabalhar currículos para que sejam significativos, de compreender heterogeneidades. Os alunos são únicos. As turmas não se repetem. Portanto, a formação continuada do professor é fundamental para o seu ressignificar. Nós nos reinventamos para surpreender. Aos nossos alunos e a nós mesmos.

É preciso gostar do que se faz. E de fazer coletivamente. Evidentemente, não se deve ter a ingenuidade de achar que basta o amor pelo ofício. É preciso pensar no sistema, na carreira. A carreira, aliás, está longe de ser atrativa no aspecto financeiro.

No passado, quando poucos tinham acesso à escola pública, um professor ganhava como um juiz de direito. Hoje, vejam quanto ganha um juiz, um promotor de justiça e um professor. Por que tanta diferença? O piso do magistério foi uma conquista, mas está longe do ideal.

Além do salário, falemos de respeito. Vejam quantas reformas já foram propostas em âmbito federal, estadual e municipal. Em muitas delas, esqueceu-se de "sua excelência, o professor". Como podemos reformar o ensino sem envolver quem está nas escolas todos os dias? De forma vertical, de cima para baixo, nunca dará certo.

Costumamos usar exemplos internacionais mesmo sem conhecê-los com profundidade. Mas o fato é que Finlândia ou Espanha, Coréia ou Japão, Hong Kong ou Israel têm em comum o profundo respeito ao professor. E à sua autonomia. É o seu agir que desperta a criatividade e o protagonismo dos alunos.

O melhor presente para os professores no dia do professor é jamais deixá-lo de lado. A bandeira da educação tem que tremular acima de bandeiras ideológicas ou partidárias. As mudanças educacionais não podem servir a governos, mas ao Estado Brasileiro. A educação é o caminho para reduzir as desigualdades e permitir que filhos de ricos ou pobres, nascidos no Sul ou no Nordeste, imigrantes ou indígenas, brancos ou negros, tenham direito a revelar seus talentos. Os maestros sabem disso. Só que, às vezes, não são ouvidos.

O que leva, então, alguém a abraçar a carreira de professor? Talvez a teimosia, ou resistência, ou um sonho coletivo de continuar professando a crença na humanidade.

Por: Gabriel Chalita (fonte: O Imparcial - Araraquara) | Data: 15/10/2016

Desde criança, frequento a Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Um Santuário da Fé. Vou até lá para rezar, para visitar a casa da mãe, para dizer os meus agradecimentos e pedidos. Aparecida é bem próxima a Cachoeira Paulista, a cidade em que nasci. Fica no vale do Paraíba. Abençoado vale que repousa entre as serras do mar e da mantiqueira. Tenho saudade daquele chão. E de tantas pessoas boas que ali alimentaram minha fé.

Estou longe, mas perto. Nas lembranças e na presença, quando posso. Vou em família, muitas vezes. Minha mãe se emociona sempre. Meu pai que gostava tanto de ir, hoje, já não está mais por aqui. A Igreja é acolhedora. Pessoas chegam por todos os lados. Ônibus lotados, carros e até mesmo a pé. Peregrinos que caminham dias e dias por um milagre. Outros em agradecimento à graça alcançada. Chegam em busca de conforto, de abrigo, de colo sagrado. E é bonito de se ver os fiéis desfilando suas dores e seus sonhos.Fico observando a simplicidade das pessoas. Os olhos suplicantes. Os joelhos no chão. As canções que saem da alma.Uma mãe pedindo pela cura do filho. Um filho pedindo pela cura da mãe. Uma mulher dizendo que vai se submeter a uma cirurgia e lembrando que tem filhos para ver crescer. Um pai prometendo uma vela gigante se o filho for curado do câncer.

Publicidade