Por Gabriel Chalita

“Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”. A frase magistral, extraída da obra Grande Sertão: Veredas, do mestre João Guimarães Rosa, encerra uma série de conceitos, idéias e sugestões capazes de nos arrebatar por dias seguidos, tamanho o seu impacto e a sua densidade. Como quase tudo que o autor de Sagarana escreveu, ela exerce nos leitores um fascínio quase hipnótico, justamente porque representa uma síntese rara que une poesia e filosofia, convidando-nos à reflexão e também à apreciação estética.

Por Gabriel Chalita

“O inimigo do meu texto sou eu. Quem não é exigente e cai na complacência está perdido. Quem achar que o texto está bonito, está perdido… Entrego o livro para o editor morrendo de medo”. Por meio desses dizeres contundentes e confessionais, proferidos pela escritora Rachel de Queiroz em entrevista à Bia Corrêa do Lago, no programa Umas palavras, do Canal Futura, é possível vislumbrarmos a dimensão da mulher extraordinária que foi a autora do romance O quinze, escrito na época em que era uma jovem professora de 19 anos.

Por Gabriel Chalita

Professor, professora. Educadores. Todo dia é dia do mestre! De quem ensina e de quem aprende. De quem entende o sublime destino de caminhar ao lado das sendas do conhecimento, do aprendizado, do encontro com o novo, com o recontado. Histórias do cotidiano de milhares de professores e professoras que nos mais diversos rincões exercitam essa magnífica expressão de amor: partilhar sonhos, medos, angústias, dúvidas, projetos, vida.

Publicidade